Warning: Declaration of tie_mega_menu_walker::start_el(&$output, $item, $depth, $args) should be compatible with Walker_Nav_Menu::start_el(&$output, $item, $depth = 0, $args = Array, $id = 0) in /home/storage/f/3c/b5/musicalmaraiza/public_html/cabocloventania/wp-content/themes/sahifa/functions/theme-functions.php on line 1942
Assuntos Gerais | Caboclo Ventania | Página 2
Últimas Notícias
Capa » Assuntos Gerais (Página 2)

Assuntos Gerais

Perfil depois do Cadastro

Pessoal, quando fizerem seu cadastro, logo em seguida receberão em vosso e-mail uma senha provisória para acesso…

Na 1º vez terão que entrar com essa senha, depois entrem em seu perfil e redefinam e favor completar o Perfil para termos cadastros realmente dos usuários do Portal…

Abraços

Queridos filhos e amigos de nosso terreiro

É com tristeza e pesar que anunciamos o falecimento do papai de Viviana Vigatti, grande filha de Santo de nossa casinha de luz.
Desejamos a todos os familiares e a Vivi linda, paz, discernimento, firmeza  e fé nesse momento. Sabemos das dificuldades, porém temos absoluta certeza da força que existe dentro dessa filha tão amada por todos nós. Nosso coração está com você !!!!!
Que Oxalá abençõe hoje e sempre!!!!
Mãe Katia

UM PRESENTE

Muitos dias sem publicar, estava com outros afazeres, mas hoje li um texto do nosso amigo Marco Andrade que pode muito ser lido em homenagem aos nossos Orixás, além disso publicamos também o vídeo do último festival – Tributo ao seu Tiriri, que aconteceu na casa de Pai Armando de Oxossi. 

Leiam, assistam e reflitam sobre as palavras deixadas por Marco Andrade. 

Quem?

 

Esquece o silencio que te assombra e te entrega ao disparate de ser livre;
Voa alto e sonha como virgem triste em ser amada;
Navega por teu ímpeto desejo, e, então, entregue-se no mais longo beijo…..na suavidez da vida que quer te beijar;
Retorna só então à tua maratona. Segue teus dias tao comuns, e não te faz austero…
Amável e doce em tua caminhada, refaz tua jornada, e , até quem mesmo eras, já não vais lembrar.
Quem me dera ser o véu dourado que cobre teus olhos;
O cobre molhado que tinge teu olhar;
O suor que umedece o corpo vestido e escorre pelo corpo nu;
O espelho que revela a idade, a língua que exibe a maldade… A volta, o recomeço, quem me dera ser.
Ser sua fantasia, te encontrar, te excitar;
Sem melancolia te fazer gozar.
Quem me dera amar do teu jeito; me esbaldar no teu peito, sem querer casar…
O ouro dos teus cabelos, o cobre dos teus olhos, a imagem do teu espelho, a saliva da tua língua…teu gozo, ou um pouco de ti…
Quem me dera ser, pra eu, enfim, existir. 

OGÂNS

Palavra

de origem Bantu que significa: Chefe. Tanto na Umbanda, quanto no Candomblé, este cargo é muito respeitado, porém como este tópico é destinado a Umbanda, falaremos das suas atribuições na mesma.

Dentro de um terreiro de Umbanda o Ogan é tal qual como o nome significa o chefe, aquele que vêm logo após a Mãe ou Pai no santo. Os Ogans não têm incorporação (estado de transe), e assim sendo em todas as vezes que a Mãe de santo ou o Pai de santo estiverem incorporados, os demais médiuns devem respeitá-los, tal como respeitam seu pai ou mãe no santo.

O Ogan é os olhos da mãe de santo ou pai no santo, é a pessoa que observa e coordenar toda a parte ritualística do terreiro, para que tudo corra bem. Quando uma entidade é nova ou se faz presente pela primeira vez, é para o Ogan que ela se apresenta, e diz o seu nome, sua origem e risca o seu ponto, isso sempre na ausência da Mãe ou Pai no santo, quando os mesmos estão presentes , apenas chamam o Ogan para participe da conversa assim como da leitura do ponto. Na verdade o Ogan é como um fiscal.

Além desta importante função o Ogan têm outra função, que é a de cantar e tocar os atabaques para que as entidade possam trabalhar, para tanto o mesmo é conhecedor de todas os Ponto “Cantigas”, e para que serve cada um deles. O Ogan também é responsável por ler o ponto riscado da entidade e saber se corresponde realmente ao que ela está propondo ser.

Existem três Ogans normalmente em cada casa, porém o Ogan que têm todas essas atribuições chama-se Alabê (O Ogan de sala) que geralmente é o mais antigo, e é Ogan do santo da mãe ou do pai no santo da casa. Como é feita a escolha de um Ogan: Dentro da Umbanda, a escolha do Ogan pode ser feita pelo Dirigente (Pai ou Mãe de santo) ou ainda por um determinado Orixá de Umbanda.

A partir deste momento ele passa por um período de aprendizado e logo após este período é Coroado. Entretanto caso o mesmo seja Ogan de atabaque, somente poderá prosseguir para coroação, uma vez que autorizado pelo Ogan mais antigo, que fará provas com o novato a fim de saber se o mesmo aprendeu os ensinamentos. Um bom Ogan consegue perceber quando determinada entidade está por vir, sé é realmente um espírito doutrinado ou não.

Normalmente em um terreiro de Umbanda que haja doutrina e hierarquia, o Ogan pode até mesmo solicitar que determinada entidade vá embora por não se comportar dentro da doutrina ritualística. O que um Ogan fala, a mãe ou pai no santo assina em baixo, é a pessoa de mais alta confiança, se por ventura o Ogan tomar uma decisão ou dar uma ordem que o dirigente não goste, o mesmo chama o Ogan no quarto de santo, e junto com o pai e ou a mãe pequena os três conversam separadamente sem que os médiuns tomem conhecimento.

Isto porque dentro da doutrina Umbandista, os mais graduados não se chamam a atenção na frente dos mais novos é uma questão de hierarquia e respeito. Os atabaques de Umbanda na realidade são Barricas, que são repercutidas com as mãos, assim como no Candomblé os atabaques comem “Oferendas”, se oferece oferenda pelo fato de trata-se de um espírito também, por este motivo na Umbanda, todos batem cabeça para os atabaques, inclusive as entidades. Hoje em dia ainda existem casas em que os filhos tomam à benção ao Ogan mais velho em respeito ao seu Orixá (Coroado – Ifarí) e pelo fato de ser o segundo chefe da casa, faz parte da doutrina.

Assim como devem tomar à benção a Babakekerê ou Iyákekere (Pai pequeno ou mãe pequena) e esses trocam à benção com o Ogan. Quando os Orixás de Umbanda se apresentam, o Ogan mais antigo levanta-se e toca o ADJÁ (Instrumento que faz parte dos que emitem os sons vibratórios para os Orixás) cantando e acompanhando o santo, enquanto os demais tocam os atabaques. Dentro da Umbanda, somente o (a) Dirigente, a Mãe ou Pai pequeno e Pai Ogan, devem tocar o ADJÁ, por serem os mais graduados e porque o ADJÁ deve ser tocado por pessoas e nunca por outros espíritos. O ADJÁ emite um som que é tido como sagrado assim como os atabaques, e assim como os atabaques não são tocados por qualquer um.

Para o Orixá este conjunto de sons somado ao ponto cantado emana uma vibração adequada para o transe e faz parte do ritual. Se na Umbanda com exceção dos Orixás de Umbanda, as demais entidades estão em permanente evolução, os mesmos não podem tocar o instrumento para o Orixá. Esta doutrina inclusive de tocar o ADJÁ é bem semelhante no Candomblé, sendo que na Nação apenas algumas outras pessoas podem tocar, e sempre quando é passado de um para o outro, quem está passando (Independente de cargo) deve se curvar, o que recebe após pegar instrumento se curva também. Dentro da Umbanda existem apenas estes três Ogans, todavia na tradição Yoruba, existem diversos outros Ogan’s, exemplo: de folhas Babalosayin, de matança Asogun etc.

Como na Umbanda não há sacrifício de animais, quando é necessário se chama alguém Iniciado e com o que chama de “Mão de faca”, para Imolar o animal.guarda roupa planejado

[/dropcap]