Últimas Notícias
Capa » Arquivos do Autor: Douglas Barrios (Página 9)

Arquivos do Autor: Douglas Barrios

21/12/2013 – Ciganos encerramento

Uma característica marcante do povo cigano é a liberdade, em relação às nacionalidades, aos padrões sociais e aos preconceitos que escravizam.

Os ciganos são poeticamente denominados “Filhos do Vento”, por sua liberdade, fluida mobilidade e errância, sempre ao sabor do vento, percorrendo os quatro cantos do mundo em sua mágica trajetória. Profundos conhecedores dos caminhos, em sua saga milenar vêm recolhendo conhecimentos iniciáticos de todas as culturas e tradições.

Outra característica marcante é o seu conhecimento magístico e curandeiro, principalmente nos campos da saúde e do amor.

É lendária a vidência de seus magos e sacerdotisas, que utilizam o elemento espelho, para refletir o Tempo, a memória ancestral, os conhecimentos, a arte da cura e dom da vidência. Por meio das cartas ou outros suportes materiais como bolas de cristal, estrelas do mar e simples copos de água, o futuro, o presente e o passado desdobram-se no vórtex temporal de suas visões.

Na Umbanda, a presença de ciganos tem sido cada vez mais constante, e em muitos terreiros, eles próprios já pedem para que seus médiuns trabalhem com a roupa branca, e ou outras cores claras, evitando sempre o preto que representa para eles a tristeza, e tenham apenas os seus elementos magísticos, como lenços, baralhos, espelhos, adagas, anéis, colares e outros.

Nos dias de suas festas, podem ser utilizados os violinos, a cítara, a viola, os pandeiros e outros instrumentos característicos.

Na Linha dos Ciganos encontramos espíritos que tiveram encarnações como ciganos e também espíritos que foram atraídos para essa linha por afinidade com a magia cigana.

Por isso, os ciganos na Umbanda não têm obrigatoriamente que falar espanhol ou romanês, ler cartas ou fazer advinhações. Há os espíritos ciganos que fazem isso porque já o faziam quando encarnados e outros não. Além disso, tiveram suas encarnações em variados paises, como os do Oriente, Europeus, Hispânicos, etc.

O “povo cigano” tem suas cerimônias próprias e tem seus rituais coletivos adaptados à Umbanda e suas sessões são muito apreciadas e muito concorridas, pois seus trabalhos estão voltados para as necessidades mais terrenas dos consulentes. É uma linha espiritual em franca expansão e temos até linhas de esquerda “ciganas”, tais como a do Senhor Exu Cigano e da Senhora Pomba-Gira Cigana, muito procurados pelos consulentes quando se manifestam nas sessões de trabalhos espirituais.” (Saraceni, Rubens – Umbanda Sagrada – Madras Ed.)

É uma linha espiritual especial, cujas entidades trabalham na irradiação dos diversos orixás, mas louvam sua padroeira, Santa Sara Kali-yê. Seus trabalhos também podem ser sustentados por Pai Ogum, ordenador dos caminhos – e por Pai Xangô (que rege a linha do Oriente) – o fogo, pois os ciganos sempre estão ao redor de suas fogueiras.

Na Umbanda, actuam como guias espirituais, de maneira extremamente respeitosa e sempre procuram mostrar o caráter fraterno do povo cigano, seu respeito com o alimento e a capacidade de repartir o pão.

Aceitam o ritual umbandista, como meio evolucionista, e retribuem com suas ricas orientações e com a alegria de seus cantos e de suas danças.

14/12/2013 – Oferenda e agradecimentos a Yemanjá.

Yemanjá, rainha do mar, é também conhecida por dona Janaína, Inaê, Princesa de Aiocá e Maria, no paralelismo com a religião católica. Aiocá é o reino das terras misteriosas da felicidade e da liberdade, imagem das terras natais da África, saudades dos dias livres na floresta.”

Jorge Amado

É uma das rainhas das águas, sendo as duas salgadas: as águas provocadas pelo choro da mãe que sofre pela vida de seus filhos, que os vê se afastarem de seu abrigo, tomando rumos independentes; e o mar, sua morada, local onde costuma receber os presentes e oferendas dos devotos. Em Cuba, é conhecida por Yemayá e também possui as cores azul e branca, é uma rainha do mar negra, assume o nome cristão de La Virgen de la Regla e faz parte da Santeriacomo santa padroeira dos portos de Havana.

Odoyá Mãe Yemanjá, Senhora da calunga grande, rainha do mar. Sincretizada com Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora dos Navegantes, é a grande Mãe de toda vida na Terra. As cerimônias em sua homenagem são comumente feitas à beira-mar, as oferendas podem ser feitas na areia ou colocadas em um barquinho que é solto após passar (pular) por 7 ondas. Suas cores são o azul claro e branco, sua bebida é a sidra, espumante e champanhe. A mais tradicional Festa de Yemanjá acontece em Salvador, capital da Bahia, tem lugar na praia do Rio Vermelho todo dia 2 de Fevereiro. Na mesma data, Yemanjá também é cultuada em diversas outras praias brasileiras, onde lhe são ofertadas velas e flores, lançadas ao mar em pequenos barcos artesanais. Na verdade suas festividades e homenagens começam logo após o Natal e se estendem por todo mês de janeiro do ano seguinte em todo Brasil. Na praia de Copacabana as comemorações de Yemanjá marcam a passagem de ano e podem ser vistas também por toda orla marítima do Rio de Janeiro.

Qualidades :: Candomblé: Yemowô – que na África é mulher de Oxalá, Iyamassê – é a mãe de Sàngó, Yewa – rio africano paralelo ao rio Ògún e que frequentemente é confundido em algumas lendas com Yemanjá, Olossa – lagoa africana na qual desaguam os rios Yewa e Ògún, Yemanjá Ogunté – que casa com Ògún Alagbedé, Yemanjá Asèssu – muito voluntariosa e respeitável, Yemanjá Saba ou Assabá – está sempre fiando algodão é a mais jovem.

Obaluayê / Omulu

Salve o Senhor o Rei da Terra!
Médico da Umbanda, Senhor da Cura de todos os males do corpo e da alma.
Pai da riqueza e da bem-aventurança.
Em ti deposito minhas dores e amarguras, rogando-te as bênçãos de saúde, paz e prosperidade.
Faz-me, Senhor do trabalho; um filho de bom ânimo e disposição, para triunfar na luta pela sobrevivência.
Faz-me digno de merecer todo dia e toda noite, vossas bênçãos de luz e misericórdia.

ATOTÔ
ATOTÔ OBALUAUÊ!

ORAÇÃO PARA OBALUAYÊ

Oh, Mestre da Vida,
Proteja seus filhos para que suas vidas sejam marcadas pela saúde.
Vós é o limitador das enfermidades.
Vós é médico dos corpos terrenos e almas eternas.
Suplicamos sua misericórdia aos males que nos afetam!
Que suas chagas abriguem nossas dores e sofrimentos.
Concede-nos corpos sadios e almas serenas.
Mestre da Cura, amenize nossos sofrimentos que escolhemos resgatar nessa encarnação!
Atotô meu Pai!

PRECE DE OBALUAIÊ

Mestre das almas!
Meu corpo está enfermo…
Minha alma está abalada,
Minha alma está imersa na amargura de um sofrimento
Que me destrói lentamente.
Senhor Omolu!
Eu evoco – Obaluaiê
Oh!
Deus das doenças
Orixá que surge, diante dos meus olhos
Na figura sofredora de Lázaro.
Aquele que teve a graça de um milagre
No gesto do Divino Filho de Jesus.
Oh!
Mestre dos mestres
Obaluaiê
Teu filho está enfermo…
Teu filho se curva, diante da tua aura luminosa.
Na magia do milagre,
Que virá de tuas mãos santificadas pelo sofrimento…
Socorre-me…
Obaluaiê…
Dai-me a esperança da tua ajuda.
Para que me encoraje diante do martírio imenso que me alucina,
Faças com que eu não sofra tanto – Meu Pai
Senhor Omolu!
Tu és dono dos cemitérios,
Tu que és sentinela do sono eterno,
Daqueles que foram seduzidos ao teu reino.
Tu que és guardião das almas. que ainda não se libertou da matéria,
Ouve a minha súplica, atende ao apelo angustioso do teu filho.
Que se debate no maior dos sofrimentos.
Salve-me – Irmão Lázaro.
Aqui estou diante da tua imagem sofredora,
Erguendo a derradeira prece dos vencidos,
Conformado com o destino que o Pai Supremo determinou.
Para que eu suplicasse minha alma no maior dos sofrimentos.
Salve minha alma desse tormento que me alucina.
Tome meu corpo em teus braços.
Eleva-me para teu reino.
Se achares porém, que ainda não terminou minha missão neste planeta,
Encoraja-me com exemplo da tua humildade e da tua resignação.
Alivia meus sofrimentos, para que levante deste leito e volte a caminhar.
Eu te suplico, mestre!
Eu me ajoelho diante do poder imenso,
De que és portador.
Invoco a vibração do Obaluaiê.
A – TÔ – TÔ, Meu Pai.
Obaluaiê,
Meu Senhor, ajude-me

Prece a Obaluaiê-Omulu

Dominador das epidemias. De todas as doenças e da peste. Omulu, Senhor da Terra. Obaluaiê, meu Pai Eterno. Dai-nos saúde para a nossa mente, dai-nos saúde para nosso corpo. Refoçai e revigorai nossos espíritos para que possamos enfrentar todos os males e infortúnios da matéria. Atotô meu Obaluaiê! Atotô meu Velho Pai! Atotô Rei da Terra! Atotô Babá!

Pai nosso Umbandista

Pai nosso que estais nos céus, nas matas, nos mares e em todos os mundos habitados. Santificado seja o teu nome, pelos teus filhos, pela natureza, pelas águas, pela luz e pelo ar que respiramos.

Que o teu reino, reino do bem, do amor e da fraternidade, nos una à todos e a tudo que criastes, em torno da sagrada Cruz, aos pés do divino salvador e redentor. Que a tua vontade nos conduza sempre para o culto do amor e da caridade. Dai-nos hoje e sempre a vontade firme para sermos virtuosos e úteis aos nossos semelhantes.

Dai-nos hoje o pão do corpo, o fruto das matas e a água das fontes para o nosso sustento material e espiritual. Perdoa, se merecermos, as nossas faltas e dá o sublime sentimento do perdão para os que nos ofendam. Não nos deixeis sucumbir, ante a luta, dissabores, ingratidões, tentações dos maus espíritos e ilusões pecaminosas da matéria.

Enviai-nos, pai, um raio de tua divina complacência, luz e misericórdia para os teus filhos pecadores que aqui habitam, pelo bem da humanidade, nossa irmã.

 

Assim Seja !

Entidades

As Entidades que trabalham na Umbanda se apresentam em dois graus hierárquicos, a saber:

– Guias (que podem ou não ser chefes de falange ou de legião)
– Protetores.

Os Guias podem se apresentar com vários corpos de ilusão. Corpo de ilusão é a forma plasmada pela entidade para se manifestar. Por exemplo, uma entidade que se manifesta na Umbanda com o nome de Pai Benedito, pode se manifestar no Kardecismo, por exemplo, com o nome de Dr. Fulano de Tal, e assim por diante.

Os guias são entidades que estão encerrando praticamente seus compromissos cármicos (podem ter ainda algum resíduo de carma – muitos já o são o que chamamos de Nyrmanacayas, isto é, entidades que já esgotaram quase que totalmente seus carmas). A maioria destas entidades são incorporantes.

Os protetores são entidades que ainda tem pela frente de 2 a 4 reencarnações, podendo se apresentar em apenas um único corpo de ilusão.

Entidades que trabalham na Umbanda:
• Caboclos
• Pretos Velhos
• Crianças
• Baianos
• Boiadeiros
• Marinheiros
• Ciganos
• Exus

Prece de São Jorge

Chagas abertas sagrado coração todo amor e bondade, o sangue de meu Senhor Jesus Cristo no meu corpo se derrame hoje e sempre.

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos eles possam ter para me fazerem mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrarão sem a meu corpo chegar, cordas e correntes se arrebentarão.

Jesus Cristo me proteja e me defenda com o poder de sua divina graça , a Virgem Maria de Nazaré me com seu sagrado manto protegendo-me em todas as minhas dores e aflições.

E Deus com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meus inimigos, e o Glorioso São Jorge, em nome de Deus, em nome de Maria de Nazaré, em nome da falange do Divino Espírito Santo, estenda-me seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com sua força e com grande poder; dos inimigos carnais e espirituais e de todas as suas más influências, e que debaixo das patas do seu fiel ginete, meus inimigos fiquem humildes e submissos a Vós, sem se atreverem a ter um olhar sequer que possa me prejudicar. Assim seja com o poder de Deus e de Jesus, e da Falange do Divino Espírito Santo. Amém.

Prece de Cáritas

Deus, nosso Pai, que sois todo poder e bondade, daí força àquele que passa pela provação, daí a luz àquele que procura a verdade, ponde no coração do homem a compaixão e a caridade.
Deus!Daí ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente o repouso.

Pai! Daí ao culpado o arrependimento, ao Espírito a verdade, à criança o guia, ao órfão o pai.
Senhor! Vossa bondade se estenda sobre tudo que criastes.
Piedade, Senhor, para aqueles que vos não conhecem, esperança para aqueles que sofrem.

Que a vossa bondade permita aos espíritos consoladores derramarem por toda parte a paz, a esperança e a fé.
Deus! Um raio, uma faísca de vosso amor pode abrasar a terra; deixai-nos beber nas fontes dessa bondade fecunda e infinita e todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão.

Um só coração, um só pensamento, subirá até vós, como um grito de reconhecimento e amor.
Como Moisés sobre a montanha, nós vos esperamos com os braços abertos, oh! Bondade, oh! Beleza, oh! Perfeição, e queremos de alguma sorte alcançar a vossa misericórdia.

Deus! Dai-nos a força de ajudar o progresso a fim de subirmos até vós; dai-nos a caridade pura, dai-nos a fé e a razão; dai-nos a simplicidade que fará de nossas almas o espelho onde se refletirá a Vossa Divina imagem.

LISTA DE LIVROS SOBRE UMBANDA

Amigo leitor,

Aproveitando que dois importantes livros trataram, recentemente, sobre o tema literatura umbandista, resolvemos disponibilizar uma lista com o nome de alguns livros que tratam sobre a Umbanda, sob os mais diversos pontos de vista, organizada por ordem alfabética do nome do autor.

O objetivo aqui é dar uma ideia, principalmente para o pessoal mais novo na religião, de que muito já foi escrito sobre a Umbanda, apesar de muitos umbandistas não terem o hábito da leitura.

Ao final da listagem, aproveitei para tecer alguns comentários sobre alguns livros aqui abordados.

Um grande abraço.

 

Autor Ano Livro
Ab’d’ Ruanda ? Ley de Umbanda
Ab’d’ Ruanda 1954 Umbanda (catecismo)
Abguar Bastos 1979 Os cultos mágico-religiosos no Brasil
Alberto Marsicano e Lurdes de Campos Vieira 2009 A Linha do Oriente na Umbanda
Alexandre Cumino 2004 Deus, deuses, divindades e anjos
Alfredo de Alcântara 1949 Umbanda em julgamento
Altair Pinto ? Breviário do umbandistas
Altair Pinto ? Dicionário da Umbanda
Aluízio Fontenele 1950 A Umbanda através dos séculos
Aluízio Fontenele 1951 Exu
Aluízio Fontenele 1952 O Espiritismo no conceito das religiões e a lei de Umbanda
Antônio Alves Teixeira Neto 1953 Conhecimentos indispensáveis aos médiuns espíritas (dois opúsculos doutrinários)
Antônio Alves Teixeira Neto 1957 Umbandismo
Antônio Alves Teixeira Neto 1966 Como desmanchar trabalhos de Quimbanda – Volume I
Antônio Alves Teixeira Neto 1966 Pomba-Gira (as duas faces da Umbanda)
Antônio Alves Teixeira Neto 1966 Umbanda dos Pretos-Velhos
Antônio Alves Teixeira Neto 1967 Como desmanchar trabalhos de Quimbanda – Volume II
Antônio Alves Teixeira Neto 1967 O livro dos Exus (Kiumbas e Eguns)
Antônio Alves Teixeira Neto 1967 O livro dos médiuns de Umbanda
Antônio Alves Teixeira Neto 1967 Oxalá
Antônio Alves Teixeira Neto 1967 Oxóssi
Antônio Alves Teixeira Neto 1969 Ogum, o Orixá guerreiro
Antônio Alves Teixeira Neto 1969 Umbanda através dos astros
Antônio Alves Teixeira Neto 1969 Umbanda e suas engiras: umbandismo
Antônio Alves Teixeira Neto 1970 Despachos e oferendas na Umbanda
Antônio Alves Teixeira Neto 1972 A magia e os encantos da Pomba-Gira
Antônio Alves Teixeira Neto 1972 Obaluaê, Omulu (vida e morte)
Antônio Alves Teixeira Neto 1972 Omulu: o médico dos pobres
Antônio Alves Teixeira Neto 1972 Umbanda e Quimbanda
Antônio Alves Teixeira Neto 1973 O rosário do Preto-Velho
Antônio Alves Teixeira Neto 1975 Curas, mandingas e feitiços de Pretos-Velhos
Antônio Alves Teixeira Neto 1983 Saravá Tranca-Ruas
Antônio Alves Teixeira Neto e Luiz Léo Sampaio 1968 Nossos Pretos-Velhos
Antônio Alves Teixeira Neto e Nancy de Oliveira Lopes 1975 Preto-Velho e seus feitiços
Antônio Eliezer Leal de Souza 1925 No mundo dos espíritos
Antônio Eliezer Leal de Souza 1933 O Espiritismo, a magia e as sete linhas de Umbanda
Armando Cavalcanti Bandeira 1961 Umbanda, Evolução Histórico-Religiosa
Armando Cavalcanti Bandeira 1970 O que é Umbanda
Átila Nunes ? Antologia de Umbanda
Babá Oxê Xangô das Pedrinhas 2005 Mixórdia Espiritual
Benedito Ramos ? Ritual de Umbanda
Benjamim Gonçalves Figueiredo ? Okê caboclo
Bennto de Lima 1997 Malungo: Decodificação da Umbanda
Brasão de Freitas ? Cultura umbandística
Byron Tôrres de Freitas ? Na gira da Umbanda e das Almas
C.F. Urubathan ? Alquimia de Umbanda
Caio de Omulu 2002 Umbanda Omolocô: liturgia, rito e convergência (a visão de um adepto)
Cândido Emanuel Félix 1965 A cartilha da Umbanda
Cândido Procópio Ferreira de Camargo 1961 Kardecismo e Umbanda: uma interpretação sociológica
Carlos Eugênio Líbano 2000 Umbanda, Religião Brasileira
Celso Alves Rosa (Decelso) ? Umbanda para todos
Celso Alves Rosa (Decelso) 1970 Umbanda de caboclos
Conceição da Oxum 1993 O livro encantado da Cigana
Dalva da Oxum 1992 Os senhores dos caminhos: Exu, Ogum, Oxóssi
Dandara e Zeca Ligiéro ? Iniciação à Umbanda
Diamantino Fernandes Trindade 1991 Umbanda e sua história
Diamantino Fernandes Trindade 1993 Umbanda: um ensaio de ecletismo
Diamantino Fernandes Trindade 2009 Leal de Souza: o primeiro escritor da Umbanda
Diamantino Fernandes Trindade 2009 Manual do médium de Umbanda
Diamantino Fernandes Trindade 2009 Umbanda brasileira: um século de história
Diamantino Fernandes Trindade e Edison Cardoso 1989 A Umbanda na sua vida diária
Diamantino Fernandes Trindade, Wagner Veneziani Costa e Ronaldo Antonio Linares 2008 Os Orixás na Umbanda e no Candomblé
Diana Brown 1985 Uma história da Umbanda no Rio. In: Umbanda e Política
Domingos Rivas Miranda Neto ? A Umbanda ao alcance dos jovens
Edson Orphanke 1990 A Umbanda às suas ordens
Edyr Rosa Guimarães e Almir S. M. Lima 1982 Universidade da Umbanda
Emanuel Zespo 1941 O que é Umbanda
Emanuel Zespo ? Codificação da Lei de Umbanda – Parte Cientifica e Parte Prática
Epaminondas de Oliveira 1996 Aumbhandan: o elo de volta ao Supremo
Etienne Sales de Oliveira 2007 Umbanda de Preto-Velho: a tradição popular de uma religião
Federação Espírita de Umbanda 1942 Primeiro Congresso Brasileiro do Espiritismo de Umbanda
Fernando M. Guimarães 2004 Grifos do passado
Florisbela Maria de Souza ? Obras psicografadas
Florisbela Maria de Souza 1949 Umbanda: caboclos, pretos, crianças, sereias
Florisbela Maria de Souza 1958 Umbanda para os médiuns
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1994 Exu: o grande arcano
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1996 Fundamentos herméticos de Umbanda
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1993 O arcano dos 7 Orixás
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1989 Umbanda: a proto-síntese cósmica
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1990 O elo perdido
Francisco Rivas Neto (Arhapiagha) 1991 Lições básicas de Umbanda
Gilson S. Santos 1992 Os Orixás africanos e as Sete Linhas de Umbanda
Heraldo Menezes ? Aimoré, Urutatão, Iara
Hilton de Paiva Tupinambá 1982 Sacramentos na Umbanda
Ivan Horácio Costa (Itaoman) 1990 Pemba: a grafia sagrada dos Orixás
J. Alves de Oliveira ? Magias da Umbanda
J. Alves de Oliveira 1970 O evangelho na Umbanda
J. Alves de Oliveira 1985 Umbanda cristã e brasileira
João de Freitas 1970 Exu na Umbanda
João de Freitas 1941 Umbanda
João Sebastião das Chagas Varella 1972 Cozinha de santo (culinária de Umbanda e Candomblé)
João Severino Ramos 1953 Umbanda e seus cânticos
João Varela ? Ervas sagradas na Umbanda
João Varela ? Manual do filho de santo
João Varela ? Orixá e obrigações
Joãozinho Sete Pedreiras 1994 Noções elementares de Umbanda
Joãozinho Sete Pedreiras 2001 Umbanda: a luz que clareia nosso caminho
Jorge de Oliveira 1971 Umbanda transcendental
José Álvares Pessoa 1968 Umbanda, religião do Brasil
José Antônio Barbosa 1960 Manual dos chefes de terreiros e médiuns de Umbanda
José de Arimatéia Nunes ? Orações da Umbanda
José Guilherme Cantor Magnani 1986 Umbanda
José Henrique Motta de Oliveira 2008 Das Macumbas à Umbanda
José Ribeiro ? O poder das ervas na Umbanda
Leni W. Saviscki 2006 Causos de Umbanda: a psicologia do Pretos-Velhos
Leni W. Saviscki 2007 Causos de Umbanda Volume 2: outras histórias
Leopoldo Betiol 1956 ABC de Umbanda
Leopoldo Betiol 1963 O batuque na Umbanda
Liana Salvia Trindade 1985 Exu: símbolo e função
Lísias Nogueira Negrão 1979 A Umbanda como expressão de religiosidade popular. In: Religião e Sociedade
Lísias Nogueira Negrão 1996 Entre a cruz e a encruzilhada: formação do campo umbandista em São Paulo
Lourenço Braga 1942 Umbanda e Quimbanda
Lourenço Braga 1956 Umbanda e Quimbanda – Volume 2
Lourenço Braga 1946 Trabalhos de Umbanda e Quimbanda
Luely Figueiró ? Trabalhos de Pretos-Velhos
Luiz Carlos Pereira e Edson Calixto Martins 2006 A Umbanda como ela é
Luiz Carvalho de Assunção 2006 Reino dos mestres: a tradição da jurema na Umbanda nordestina
Marco Boeing 2008 Histórias que a Umbanda nos conta
Maria Elise G. Machado (Yamaracyê) ? Teologia umbandista: o mestre iluminando consciências
Maria Elise G. Machado (Yamaracyê) ? Umbanda: o despertar da essência
Maria Helena Farelli ? As sete forças da Umbanda
Maria Helena Farelli ? Como combater o feitiço
Maria Helena Vilas Boas Concone 1987 Umbanda, uma religião brasileira
Ney Nery dos Reis (Omolubá) ? ABC da Umbanda: única religião nascida no Brasil
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1984 Magia de Umbanda: instruções religiosas
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1984 Maria Molambo: na sombra e na luz
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1984 Umbanda, poder e magia: chave da doutrina
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1986 Almas e Orixás na Umbanda
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1988 Cadernos de Umbanda
Ney Nery dos Reis (Omolubá) 1990 Yemanjá, a rainha do mar
Ney Nery dos Reis (Omolubá) e Israel Cysneiros 1978 Fundamentos de Umbanda: revelação religiosa
Norberto Peixoto e Ramatís (espírito) 2001 Chama crística
Norberto Peixoto e Ramatís (espírito) 2004 Jardim dos Orixás
Norberto Peixoto e Ramatís (espírito) 2006 A missão da Umbanda
Norberto Peixoto e Ramatís (espírito) 2008 Umbanda pés no chão
Norberto Peixoto e Ramatís (espírito) 2009 Diário mediúnico
Norberto Peixoto, Ramatís (espírito) e Babajiananda (espírito) 2005 Vozes de Aruanda
Norberto Peixoto, Ramatís (espírito) e Vovó Maria Conga (espírito) 2003 Evolução no planeta azul
Oceano de Sá (Yokaanam) 1954 Evangelho de Umbanda Eclética
Ogossi Nabeji ? Ogum, Xangô
Oliveira Magno ? A Umbanda e seus complexos
Oliveira Magno 1950 Umbanda Esotérica e Iniciática
Oliveira Magno 1951 Práticas de Umbanda
Oliveira Magno 1952 Umbanda e ocultismo
Oliveira Magno 1953 Ritual prático de Umbanda
Oswaldo C. Oliveira ? A nova Umbanda
Patrícia Birman 1985 O que é Umbanda
Paula Montero 1985 Da doença à desordem: a magia na Umbanda
Paulo Gomes ? Umbanda sagrada e divina
Paulo Newton de Almeida 2003 Umbanda: à caminho da luz
Pompílio Possera de Eufrazio ? Catecismo do umbandista
Raimundo Cintra 1985 Candomblé e Umbanda: o desafio brasileiro
Raul Giovanni da Motta e Wani F. Lody Pereira 1994 Introdução ao Xangô, Umbanda e Mestria da Jurema na cidade de Natal (RN)
Renato Ortiz 1986 Breve nota sobre a Umbanda e suas origens. In: Religião e Sociedade.
Roger Feraudy 1986 Umbanda, essa desconhecida
Rogério d´Avila e Maurício Omena ? Umbanda e seus graus iniciáticos
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade ? A Umbanda na sua vida diária
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade 1987 Iemanjá e Ogum
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade 1987 Nanã Buruquê e Abaluaiê
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade 1987 Oxum e Oxosse
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade 1987 Xangô e Inhaçã
Ronaldo Antonio Linares e Diamantino Fernandes Trindade 1988 Cosme/Damião e Oxalá
Ronaldo Antonio Linares, Diamantino Fernandes Trindade e Wagner Veneziani Costa 1986 Iniciação à Umbanda
Rubens Saraceni ? A evolução dos espíritos
Rubens Saraceni ? A lenda do sabre dourado
Rubens Saraceni ? A magia divina das sete pedras sagradas
Rubens Saraceni ? A magia divina dos elementais
Rubens Saraceni ? A magia divina dos sete símbolos sagrados
Rubens Saraceni ? A tradição comenta a evolução
Rubens Saraceni ? As sete linhas de evolução
Rubens Saraceni ? As sete linhas de Umbanda: a religião dos mistérios
Rubens Saraceni ? Código de Umbanda
Rubens Saraceni ? Diálogo com um executor
Rubens Saraceni ? Formulário de consagrações umbandistas: livro de fundamentos
Rubens Saraceni ? Lendas da criação: a saga dos Orixás
Rubens Saraceni ? O ancestral místico
Rubens Saraceni ? O código da escrita mágica simbólica
Rubens Saraceni ? O guardião da meia noite
Rubens Saraceni ? O guardião da pedra de fogo: as esferas positivas e negativas
Rubens Saraceni ? O guardião das sete portas
Rubens Saraceni ? O guardião dos caminhos: a história do senhor Guardião Tranca-Ruas
Rubens Saraceni ? Orixá Exu Mirim
Rubens Saraceni ? Orixá Exu: fundamentação do mistério Exu na Umbanda
Rubens Saraceni ? Orixá Pombagira
Rubens Saraceni ? Orixás: teogonia de Umbanda
Rubens Saraceni ? Os arquétipos da Umbanda: as hierarquias espirituais dos Orixás
Rubens Saraceni e Mestre Xaman 2003 Os Decanos: Os Fundadores, Mestres e Pioneiros da Umbanda
Rubens Saraceni ? Os guardiões dos sete portais: Hash-Meir e o Guardião das Sete Portas
Rubens Saraceni ? Rituais umbandistas: oferendas, firmezas e assentamentos
Rubens Saraceni ? Umbanda Sagrada: religião, ciência, magia e mistérios
Rubens Saraceni 1990 O cavaleiro da estrela guia: o início da saga
Rubens Saraceni 1991 Hash-Meir: o guardião dos sete portais de luz
Samuel Ponze 1954 Lições de Umbanda
Sandro da Costa Mattos ? O livro básico dos Ogans
Sílvio da Costa Mattos ? O arraial dos penitentes
Sílvio L. R. Garcez (Aramaty) 2001 Teologia umbandista: cosmologia e física de alta energia
Sylvio Pereira Maciel 1950 Alquimia de Umbanda: o poder vibratório
Sylvio Pereira Maciel 1950 Umbanda Mista
Sylvio Pereira Maciel 1974 Irradiação universal de Umbanda
Tancredo da Silva Pinto ? A origem de Umbanda
Tancredo da Silva Pinto ? Fundamentos da Umbanda
Tancredo da Silva Pinto e Byron Tôrres de Freitas ? As mirongas da Umbanda
Tancredo da Silva Pinto e Byron Tôrres de Freitas ? Camba de Umbanda
Tancredo da Silva Pinto e Byron Tôrres de Freitas 1951 Doutrina e ritual de Umbanda
Tancredo da Silva Pinto e Byron Tôrres de Freitas 1955 As impressionantes cerimônias da Umbanda
Tancredo da Silva Pinto e Byron Tôrres de Freitas 1972 Umbanda: guia e ritual para organização de terreiros
Tancredo da Silva Pinto e Gerson Ignez de Souza 1972 Tecnologia ocultista de Umbanda no Brasil
Tancredo da Silva Pinto e vários autores 1971 Cabala Umbandista (volume I)
Telma Pechman 1982 Umbanda e política no Rio de Janeiro. In: Religião e Sociedade
Vagner Gonçalves da Silva 2000 Candomblé e Umbanda
Vários autores 1944 O culto de Umbanda em face da lei
Vicente Paulo de Deus e Mário Azevedo (espírito) 2002 Mediunidade: um mergulho no mundo oculto dos terreiros
Waldemar Bento ? A magia no Brasil
William Carmo de Oliveira (Obashanan) 2001 Teologia umbandista: do movimento à convergência
Wilson T. Rivas (Ytaçuan) ? Oxóssi 7 Flechas
Wilson T. Rivas (Ytaçuan) 1994 Umbanda é luz
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) ? Lições de Umbanda e Quimbanda na palavra de um Preto-Velho
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) ? Mistérios e práticas da lei de Umbanda
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) ? Segredos da magia de Umbanda e Quimbanda
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) ? Umbanda e o poder da mediunidade
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) ? Umbanda: sua eterna doutrina
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) 1956 Umbanda de todos nós
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) 1967 Doutrina secreta da Umbanda
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) 1969 Umbanda do Brasil
Woodrow Wilson da Matta e Silva (Yapacani) 1975 Macumbas e Candomblés na Umbanda
Yoshiaki Furuya 1994 Umbandização dos cultos populares na Amazônia: a integração do Brasil? In: Possessão e Procissão: religiosidade popular no Brasil
Yvone Maggie 1977 Guerra de Orixá: um estudo de ritual e conflito
Zaydan Alkmin ? Zé Pelintra: dono da noite, rei da magia
Zora A. O. Seljan 1973 Iemanjá: mãe dos Orixás

UM PRESENTE

Muitos dias sem publicar, estava com outros afazeres, mas hoje li um texto do nosso amigo Marco Andrade que pode muito ser lido em homenagem aos nossos Orixás, além disso publicamos também o vídeo do último festival – Tributo ao seu Tiriri, que aconteceu na casa de Pai Armando de Oxossi. 

Leiam, assistam e reflitam sobre as palavras deixadas por Marco Andrade. 

Quem?

 

Esquece o silencio que te assombra e te entrega ao disparate de ser livre;
Voa alto e sonha como virgem triste em ser amada;
Navega por teu ímpeto desejo, e, então, entregue-se no mais longo beijo…..na suavidez da vida que quer te beijar;
Retorna só então à tua maratona. Segue teus dias tao comuns, e não te faz austero…
Amável e doce em tua caminhada, refaz tua jornada, e , até quem mesmo eras, já não vais lembrar.
Quem me dera ser o véu dourado que cobre teus olhos;
O cobre molhado que tinge teu olhar;
O suor que umedece o corpo vestido e escorre pelo corpo nu;
O espelho que revela a idade, a língua que exibe a maldade… A volta, o recomeço, quem me dera ser.
Ser sua fantasia, te encontrar, te excitar;
Sem melancolia te fazer gozar.
Quem me dera amar do teu jeito; me esbaldar no teu peito, sem querer casar…
O ouro dos teus cabelos, o cobre dos teus olhos, a imagem do teu espelho, a saliva da tua língua…teu gozo, ou um pouco de ti…
Quem me dera ser, pra eu, enfim, existir. 

TIPOS DE OGÃS

A palavra “Ogã” significa originalmente “aquele que bate, toca e canta”. Entretanto, com o passar dos tempos, torna-se cada vez mais difícil achar um Ogã que ao mesmo tempo “bata” corretamente para todas as vibrações e igualmente cante. Então surgiram as denominações:

  • Ogã de canto – aquele que só emite as curimbas;
  • Ogã de atabaque – aquele que “bate” em busca das vibrações;
  • Ogã de caboclo – embora já não seja mais realizada, a preparação do Ogã de caboclo refere-se a uma segurança muito importante para aqueles que, pelo toque dos atabaques, atraem as diversas falanges.